Instalação do Sistema Evaporativo

Gostou? compartilhe!

Condições para instalações:

Renovação de Ar

Logo após passar por um sistema de resfriamento evaporativo, a ar tem sua umidade relativa elevada para níveis próximos à saturação. Ao adentrar o ambiente este ar se aquece, abatendo as cargas térmicas existentes no local e reduzindo a UR sem, no entanto, voltar aos níveis originais (antes do resfriamento). Caso recirculemos este ar pelo resfriador, a eficiência será menor a cada nova passagem, tendendo a ser nula após poucas recirculações. Teríamos então uma situação de temperatura e umidade elevadas, o que é muito desconfortável.

Assim sendo, a condição fundamental é de renovação total do ar.

Exaustão e Aberturas

Como num processo de ventilação comum, a renovação total do ar implica em exaustão ou aberturas compatíveis com a vazão de ar admitida. Assim sendo, portas, janelas, frestas ou exaustores são, via de regra, bem-vindos. Há apenas a necessidade de se verificar a disposição das mesmas para se otimizar a circulação do ar por todo o ambiente.

Isolamento Térmico

Este é um item que, se existente, sempre auxilia. Para instalações novas, entretanto, é dispensável, ao contrário de sistemas de climatização por ar condicionado tradicional. Ocorre que os custos de instalação e de operação dos sistemas evaporativos são tão mais baixos do que os do ar condicionado, que resulta ser mais barato aumentar a capacidade do sistema evaporativo projetado, que isolar telhados e paredes.

De fato, há casos em que só o custo do isolamento térmico de determinado ambiente era maior do que o do sistema de resfriamento instalado.

Ademais, a operação destes últimos envolve apenas os insufladores e/ou exaustores e as bombas de circulação ou aspersão de água, o que significa algo em torno de 1/10 da potência consumida por um sistema de ar condicionado tradicional equivalente.

Qualidade da Água

Como regra geral, é recomendável a utilização de água potável na alimentação dos resfriadores evaporativos.

Água com altos teores de minerais, principalmente cálcio (água “dura”), deve ser evitada pois a concentração dos sólidos solúveis tende a aumentar com a evaporação (só água pura evapora) e, a partir de certo ponto, haverá supersaturação e precipitação dos minerais. Isto pode ser notado pela formação de depósitos na superfície da colmeia ou manta.

Caso seja necessário utilizar este tipo de água, é necessário manter uma purga contínua (bleed-off) de modo a evitar a ocorrência de incrustação.

Água com carência de minerais, por outro lado, tende a compensar esta carência captando minerais das colmeias, enfraquecendo a resina enrijecedora.

Com relação ao PH, o ideal situa-se em 7 a 8, sendo aceitáveis valores entre 6 e 9.

Tratamento da Água

Tendo em vista que o ar é lavado ao passar pelo BEC, as partículas dele removidas tendem a se agregar no elemento umidificador e deste serem carregadas pela água para o reservatório. Entre estas partículas estão fungos, bactérias, algas, etc., as quais, em meio úmido, podem proliferar.

Quando em operação esta proliferação é bastante reduzida pela aeração da água e pela ação do oxigênio como oxidante dos microorganismos. Quando parado, no entanto, pode ocorrer o crescimento de colônias que poderão gerar odores desagradáveis na próxima partida do equipamento.

Para evitar que isto ocorra, algumas providências devem ser tomadas, a saber:

  • Cloração da água no reservatório com pedras de cloro;
  • Purga contínua através de dreno, regulável de acordo com a sujidade do ar captado;
  • Drenagem e limpeza periódicas do reservatório para eliminar sujeira acumulada;
  • Quando for desligar o equipamento, desligar primeiro a bomba e deixar o ventilador funcionando até secar o elemento (de 10 a 30 minutos, conforme a umidade do ar captado); caso o equipamento fique desligado por muito tempo, um final de semana por exemplo, esgotar o reservatório e tornar a enchê-lo quando for religá-lo.

Plataformas para Equipamentos

Dependendo da instalação a ser feita, será necessário o uso de suportes ou plataformas para sustentação dos equipamentos. Deve-se sempre levar em conta dois fatores:

  • Segurança;
  • Praticidade.

No momento de se fazer a manutenção do equipamento, é importante que se tenha condições para que esta seja feita de uma forma prática e livre de riscos para o operador.

Para equipamentos instalados acima de 3 metros do solo, a plataforma/suporte deve possuir piso e guarda corpo.